A história da Coleção Invenções Democráticas conheceu um lance decisivo em 25 de outubro de 2008. Nesse dia, culminando a extensa e intensa agenda de encontros, conferências e aulas do filósofo francês Laurent Bove em São Paulo, reuniram-se militantes da educação democrática (Lilian Kelian), da economia solidária (Paul Singer), da justiça restaurativa (Maria Luci Buff Migliori), da filosofia espinosana (o próprio Laurent Bove) e do que viria a ser chamado de movimento da psicopatologia para a saúde pública (David Calderoni, Nelson da Silva Junior e Maria Lúcia Calderoni).

Estes são os livros que compõem a Coleção Invenções Democráticas, publicada pela Editora Autêntica.

Invenções Democráticas – A Dimensão Social da Saúde

Este livro, composto por textos de vários autores, como Marilena Chauí, David Calderoni, Paul Singer, entre outros, e organizado por Marcelo Gomes Justo, propõe maneiras criativas e solidárias de desenvolver autonomia e cooperação na área psicossocial da saúde.

Desdobrados na presente publicação, eis alguns dos expressivos alicerces conceituais do NUPSI-USP, sede acadêmica interdisciplinar de invenções democráticas voltadas à extensão universitária na perspectiva da cultura da paz, apostando em fundamentos positivos da saúde ancorados no desejo de vida plena quanto aos modos de autoconhecimento psicossocial, de autoformação educacional, de autogestão econômica e de reparação jurídica comunitária. Adquira o livro.

Ficha técnica

– Editora: Autêntica
– Autor: Marcelo Gomes Justo (Org.)
– Ano: 2010
– Edição: 1ª

Espinosa e Psicologia Social – Ensaios de Ontologia Política e Antropogênese

Esse livro é o resultado de um seminário e de uma série de conferências sobre a filosofia de Espinosa, proferidas no Brasil em outubro de 2008, às quais foram acrescentados dois estudos de psicologia social e uma reflexão sobre a análise da História em Camus. A unidade do conjunto desses textos está na abordagem espinosana da questão da diferença antropológica e, mais particularmente, da articulação entre uma ontologia política e o pensamento da antropogênese.

A primeira parte da obra explora a teoria espinosana dos afetos e da singularidade, assim como a significação e o estatuto do conceito de conatus que está no princípio desta singularidade. O “esforço que cada ser faz para perseverar em seu ser” é inicialmente tido por um “desejo sem objeto” do qual a potência constituinte é aqui comparada à concepção freudiana do afeto. Em seguida, este desejo sem objeto, como potência de afirmação e de resistência, reaparece na análise psicológica do social e da concepção camusiana do tempo, confrontada ao problema no niilismo. O leitor segue, nesse livro, um fio que os estudos espinosanos jamais tinham seguido até então.

A partir de conceitos-chaves de “estratégia do conatus” – em que “estratégia” tem um sentido não teleológico – e de “resistência ativa” (conceitos que foram elaborados em seus trabalhos anteriores), Laurent Bove mostra o quanto a filosofia de Espinosa esclarece o processo de antropogênese assim como seus impasses históricos (na “automação” e na “animalização”). E também o quanto o espinosismo oferece, hoje, uma alternativa ético-política original e emancipadora, a partir da qual somos convidados a repensar profundamente o que quer dizer moral, política, democracia, igualdade, liberdade, mas também a humanidade do homem. Adquira o livro.

Ficha técnica

– Editora: Autêntica
– Autor: Laurent Bove
– Ano: 2010
– Edição: 1ª

 

A invenção democrática – Os limites da dominação totalitária

“O Estado de direito sempre implicou a possibilidade de uma oposição ao poder, fundada sobre o direito – oposição ilustrada pelas admoestações ao rei ou pela recusa em submeter-se ao imposto em circunstâncias injustificáveis, até mesmo pelo recurso à insurreição contra um governo ilegítimo. Mas o Estado democrático excede os limites tradicionalmente atribuídos ao Estado de direito. Experimenta direitos que ainda não lhe estão incorporados, é o teatro de uma contestação cujo objeto não se reduz à conservação de um pacto tacitamente estabelecido, mas que se forma a partir de focos que o poder não pode dominar inteiramente. Da legitimação da greve ou dos sindicatos ao direito relativo ao trabalho ou à segurança social, desenvolveu-se assim sobre a base dos direitos do homem toda uma história que transgredia as fronteiras nas quais o Estado pretendia se definir, uma história que continua aberta.” Adquira o livro.

Ficha técnica

– Editora: Autêntica
– Autor: Claude Lefort
– Ano: 2011
– Edição: 3ª
– Tradução: Isabel Loureiro e Maria Leonor F. R. Loureiro

Especialistas falam sobre livro ‘A Invenção Democrática’

Marilena Chauí, André Rocha e David Calderoni falam sobre o livro “A Invenção Democrática – Os limites da dominação totalitária”, que contribui para o pensamento e a prática da democracia no Brasil.

 

Vídeo de lançamento

Veja também: