Author David Calderoni

O aparelho auditivo de Hermes lhe teria permitido registrar as palavras da professora? Talvez não. Hermes foi parar num hospital? Não, mas passou por vários, até encontrar um onde pôde ser ouvido. E quanta coisa a mãe de Hermes me contou! Mas essas são histórias para outras palavras.

Dando a saber o que não se sabe, o psicólogo comunica o irreprodutível e o indizível. E o próprio impulso para dar nome à criança de que trata este texto nasceu da leitura do que Ernildo Stein escreveu sobre “a responsabilidade e o risco do tradutor. Ele não é apenas a ponte entre a língua-fonte e a língua-meta: é também, por excelência, o mensageiro (Hermes) que veicula o sentido”. Adquira o livro.

Apresentação – Carta ao Leitor

Este livro corresponde à minha dissertação de mestrado, apresentada numa tarde ensolarada de junho de 1994 ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Anuncio sua matéria.

Em 1986, no curso de um Programa de Trabalho na Área Psicológica junto a creches municipais de São Paulo — que incluía a intervenção nas relações institucionais e, articulado a isso, o psicodiagnóstico de crianças —, realizei o atendimento de Hermes, 5 anos, diagnosticado empiricamente por agentes de sua creche como praticamente incapaz de pensamento e de linguagem (“débil-mental e surdo”).

Tendo as providências diagnósticas sido acompanhadas de um contradiagnóstico institucional (destinado a desconstruir o diagnóstico empírico de debilidade mental e auditiva), procuro refletir sobre o processo conjunto que permitiu reverter a exclusão da criança, transformar o modo pelo qual era percebida e encaminhar um saber positivo sobre o seu psiquismo.

O leitor tem em mãos a história desse processo, ao qual veio se juntar um acontecimento digno de nota.

Ao retomar o material para publicação, evidenciou-se fortemente, mais uma vez, o fato de que a apresentação pública da dissertação foi ocasião de trabalho constitutivo do sentido do próprio caso.

Sensíveis a isso, Marlene Guirado (orientadora), Maria Luisa Sandoval Schmidt e Sérgio Cardoso, membros da banca examinadora, bem como Myriam Chinali, editora, encamparam a idéia de um posfácio contendo a transcrição da defesa.

A proposta foi a de manter o tom oral e a experiência calorosa daquela memorável e dialógica tardada, cuja força crítica confere ao texto uma contudente atualidade.

Aos membros da banca e à editora ofereço, pois, renovados agradecimentos. E, ao leitor, parceria na conversa.

São Paulo, outubro de 2004.
David Calderoni

Primeira orelha

Por Renato Mezan

Generosidade, imaginação, sensibilidade clínica: termos que bem caracterizam o livro que o leitor tem em mãos. Sensibilidade na condução das sessões e no trato com os adultos que circundam o pequeno Hermes; sensibilidade ainda na leitura arguta dos desenhos e dos testes deste garoto de cinco anos, cujo comportamento inadequado numa creche pública motivou a intervenção do psicanalista. Imaginação, no construir uma rede de referências para situar e compreender os nexos do material com o entorno institucional e social no qual ele ganha sentido.

Generosidade, ao abrir aos leitores janelas para a filosofia, para a estética e para a política, eixos que balizam a discussão propriamente metapsico-lógica da experiência de e com Hermes.

A estes traços, é preciso juntar a formulação conceitual precisa, a clareza na exposição de conceitos pouco familiares a quem vem da Psicologia acadêmica (como os emprestados ao filósofo Espinosa ou ao cientista político Guilhon Albuquerque), e uma invulgar facilidade no manejo das palavras, do seu ritmo e da sua combinação — que vem a David, com certeza, de sua experiência como poeta e compositor.

O relato, documentado com as imagens produzidas pelo menino, vai sendo assim sucessivamente trançado aos diversos níveis de reflexão: estudo do ambiente familiar e do seu potencial traumático, dimensão institucional do trabalho na creche, políticas públicas e política tout court, aspectos estéticos das imagens (úteis também no trabalho de interpretar), até chegar aos elementos filosóficos que estruturam e fundamentam o trabalho clínico.

Hermes era o deus grego das passagens, do comércio, das encruzilhadas: metáfora para os vínculos e para a circulação — e é sobre isso que David Calderoni, finalmente, tem tanto a nos ensinar. Boa leitura!

Apreciações críticas

Distinção e Louvor “pela inovação na constituição de um campo de investigação/ intervenção psicológica no âmbito institucional e pelo virtuosismo na interpretação dos elementos configurados no Caso em análise”.

Comissão Julgadora da Pós-Graduação do Instituto de Psicologia da USP, composta pela Profª. Drª. Marlene Guirado (orientadora), pelo Prof. Dr. Sérgio Cardoso e pela Profª. Drª. Maria Luísa Sandoval Schmidt

A obra apresenta complexidade teórica, originalidade e, por isso, traz contribuições importantes para o campo de pesquisa e de atuação. E o resultado final (o livro impresso) é bastante satisfatório, pois contempla plenamente todos os requisitos.

Assessores da Fapesp – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Veja também:
Leia mais

Este livro reúne seis escritos psicopatológicos e estético-críticos sobre obras de Caetano Veloso, Chico Buarque, Eugène Minkowski, Guilherme Messas, Jean Bergeret, Oliver Sacks, Roberto Benigni e Sigmund Freud. Adquira o livro.

Ficha técnica

Editora: Via Lettera
Autor: DAVID CALDERONI
Ano: 2006
Edição: 1ª

Entre conceitos e canções

Por Luiz Tatit

Um cancionista psicanalista não é nada improvável. O perito em canções normalmente divide sua atividade musical com outras bem distintas, tentando dar vazão a uma espécie de talento dispersivo que as especialidades, consideradas individualmente, jamais conseguem saturar. Já um psicanalista cancionista não é nada provável. Os temas de Freud são absorventes a tal ponto que, em geral, seus aficionados tendem a rever o mundo e os seres humanos à luz das perspectivas abertas pela teoria, deixando pouco tempo e espaço para outras modalidades de leitura e expressão.

Difícil saber se David Calderoni pertence ao primeiro ou ao segundo tipo de militante cultural. Só posso afirmar que, no seu caso, o cancionista precede cronologicamente o psicanalista, e que a existência de dois CDs recentes, reunindo suas composições, atestam que a atividade musical não esmoreceu em seu projeto pessoal. Por outro lado, tudo leva a crer que o psicanalista atualmente engloba o cancionista num cotidiano em que a reflexão e a prática de convívio com pacientes exigem do profissional um engajamento quase que ininterrupto.

Os textos aqui reunidos, porém, nos oferecem uma terceira via de interpretação. O psicanalista e o cancionista exercem funções complementares no pensamento de Calderoni. Ambos modulam os excessos que poderiam comprometer o tratamento dos temas abordados. O psicanalista lança mão de conceitos consagrados (como complexo de Édipo e transferência, por exemplo), ainda que devidamente revistos pelo autor, para delinear um parâmetro de avaliação dos objetos descritos e, com isso, abrandar a tendência dispersiva do enfoque artístico. O cancionista, por sua vez, não esconde certa “aliança” com o objeto analisado, que pode ser o discurso de um paciente, uma canção de Caetano Veloso ou o próprio compositor. Atenua, assim, a tendência centralizadora da ciência, aquela que nos dá a impressão de que o esforço para se comprovar a hipótese inicial se sobrepõe à observação mais cuidadosa do fenômeno estudado.

Creio mesmo que é o autor-cancionista que faz desaparecer dos escritos em pauta a sombra do psicanalista-detetive, tão comum nos seguidores de Freud, deixando apenas o investigador paciente que quer chegar a algum resultado com a ajuda do próprio investigado.

Assim, no estudo intitulado “Édipo e transferência a partir de Dora: um percurso em Freud”, dedicado às diversas etapas da carreira em que o pai da psicanálise focaliza a questão edipiana e o mecanismo da transferência, David Calderoni identifica, em cada uma delas, uma tensão entre os motivos da razão, no mais das vezes associados ao gesto de dominação e dissecação (pelo saber) dos impulsos primitivos e das manifestações emocionais (Édipo, transferência ou mesmo obras de arte) e os motivos do afeto que podem produzir o arrebatamento, a surpresa e o trabalho artístico, mas também o amor doentio e a neurose. Segundo o autor, só em fases afins ao fazer artístico, tal como por ocasião da análise de O Rei Lear, Freud consegue tirar proveito teórico dessa tensão entre os dois motivos sem culminar com o recalque das figuras operantes do afeto.

E é justamente iluminando essas últimas figuras que o autor passa à descrição do universo poético de Chico Buarque (“A pedra e a perda – feminino e temporalidade: notas a partir da escuta de ‘Você, você – uma canção edipiana’”) e Caetano Veloso (“O silêncio à luz de Caetano”), posicionando-se rente às letras examinadas. Sua estratégia de escrita é a constante indagação sobre os possíveis conteúdos do texto, lançada em meio às citações, de modo que perguntas e respostas emanem dos próprios versos. É a forma que encontra de conduzir seu raciocínio sem dispensar a cumplicidade dos compositores. Calderoni ainda aceita, nos dois textos, o temível desafio de aproximar obra e biografia dos letristas. No que se refere a Caetano, nada mais natural na medida em que ele próprio reconhece suas canções como autobiográficas. Mas Chico, como se sabe, considera seu universo imaginário artístico completamente apartado de vivência pessoal. Pode-se dizer que nada disso importa quando a análise beira o texto analisado e os depoimentos concedidos diretamente pelos artistas. Cabe ao psicanalista articular esses dados segundo os seus princípios teóricos, mantendo o cuidado e, muitas vezes, a dúvida em relação às próprias conclusões. Ambas as posturas fazem parte integrante deste livro.

A análise de “Você, você” pelo prisma edipiano sugerido no título da canção trouxe à tona a continuidade e a descontinuidade, aquelas que selam a relação entre os personagens narrativos, como matrizes de um tempo cujo fluxo ora queremos apressar para reduzir nossa espera, ora queremos interromper para preservar os vínculos primordiais. O enunciador da composição enxerga a mulher pelos olhos da criança que pressente, na despedida noturna da mãe, uma ameaça ao seu profundo elo amoroso (edipiano, segundo Chico). Os aspectos contínuo ou descontínuo do vínculo surgem então associados aos mesmos aspectos referentes à temporalidade.

O capítulo sobre Caetano é mais abrangente – e ambicioso. Contando com um livro autobiográfico (“Verdade Tropical”) para cotejar com letras que, de certo modo, possuem esse mesmo caráter, Calderoni examina o silêncio, cuja configuração poética no repertório do compositor se exprime como “a voz de uma luz”, e seu valor na prática psicanalítica. Nesse estudo, o recuo teórico, que em geral afasta o pesquisador de seu objeto de estudo, é praticamente eliminado. É como se o psicanalista entrasse em fusão com o artista. Difícil distinguir quem é sujeito e quem é objeto, pois a alternância é incessante. Mesmo as descobertas que só podem vir do autor deste volume parecem emergir dos textos do compositor, uma vez que só depreendemos o seu sentido a partir das aproximações – às vezes paralelas, às vezes seqüenciais – de trechos sugeridas pelo primeiro.

Entre os bons momentos do capítulo, Calderoni ainda arrisca uma hipótese de fato instigante para explicar os efeitos da música, linguagem que se define por criar internamente suas próprias referências, no âmago do sujeito. O seu poder poético facilitaria o reconhecimento dos conteúdos que transitam livremente entre as partes do universo subjetivo, bem como entre as partes e o todo desse mesmo universo. É bem verdade que o célebre conceito de função poética lançado por R. Jakobson já vislumbrava essas conexões entre partes da obra. No entanto, o lingüista jamais respondeu à indagação que hoje freqüenta os tratados de semiótica e que está presente no texto em exame: como se relacionam as saliências locais de uma obra de arte com o sentido global coextensivo à obra como um todo? A resposta a essa questão talvez ajudasse a explicar o fato de a música favorecer o desimpedimento das conexões “partes-todo” também no interior do sujeito.

Esses ensaios de Calderoni ainda se completam com um pequeno texto dedicado ao filme A Vida é Bela, de Roberto Benigni, escrito de maneira lírica e envolvida, e com estudos de ordem clínica e metodológica a respeito dos autores Bergeret, Minkowski, Sacks e Messas. Também nesses casos, a originalidade dos pontos de vista adotados certamente terá forte repercussão entre estudiosos do tema, psicanalistas, terapeutas e interessados de modo geral.

Contracapa

Por Cristiano Novaes de Rezende

Todas as coisas notáveis são tão difíceis quanto raras.

É com esta conhecida frase que Espinosa encerra sua obra magna, a Ética, reconhecendo que a via por ela aberta é árdua e exigente de grande labor. Entretanto, pouco antes desta conclusão, o filósofo insistira: essa via “pode ser encontrada e percorrida”.

Não é sem propósito evocar aqui, diante destes ensaios para uma ciência do singular, o célebre filósofo holandês do século XVII. Afinal, o notável a que ele se refere não é senão viver conforme certo modo de percepção, caracterizado justamente como “conhecimento das coisas singulares”, muito preferível ao “conhecimento universal”, especialmente no que concerne à constituição e à expressão de um psiquismo tão saudável quanto livre e de uma vida afetiva tão consistente quanto rica e complexa. Mas, sobretudo, tal evocação justifica-se porque Espi­­­­nosa qualifica expressamente esse gênero de conhecimento como scientia, exigindo que o percurso do pensamento pelo singular se diferencie de uma percepção que vaga por entre encontros fortuitos e associações acidentais, mas também, em contrapartida, que a própria cientificidade se diferencie da mera capacidade de administração classificatória do mundo – tecnicamente exitosa, mas governada por universais abstratos que tendem a encobrir e usurpar o lugar das coisas singulares na natureza.

É por certo desafiadora a expressão “ciência do singular”. Na antiguidade, com Aristóteles, a ciência fora caracterizada como conhecimento do universal. E contemporaneamente, na formulação paradigmática de Merleau-Ponty, a ciência foi dita “manipular as coisas sem habitá-las”. Conhecedor destes referenciais teóricos, David Calderoni procura trilhar, antes, uma via fortemente mobilizada pela leitura de Espinosa: ao invés de ceder o traço da cientificidade a esse gênero de conhecimento determinado pela lida externa com o objeto, o autor nos convida a uma sorte de correção intelectual e nos faz questionar se não é apenas uma ciência do singular que pode ser estimada como ciência propriamente dita. Ao invés de se constituir como olhar de sobrevôo em oposição ao olhar imanente do artista, o trabalho científico aqui empreendido compartilha com a criação artística a capacidade de proporcionar um modo peculiar de fruição e união com os objetos tratados, oferecendo ao leitor, simultaneamente, a clareza dos conceitos bem ordenados e a experiência afetiva de uma prazerosa compreensão.

Assim, ao abarcar conjuntamente escritos psicopatológicos e estético-críticos, a unidade destes ensaios não se fragmenta em esforços díspares nem amalgama inegáveis diferenças, mantendo-se coesa na exata medida em que revela, em cada caso, a singularidade de seus objetos e da abordagem que os acolhe. Trata-se, pois, de uma unidade tão mais consistente quanto menos se faz homogênea e indiferenciada. E nisso ressalta o caráter de um pensamento livre em sentido espinosano, isto é, “apto para a multiplicidade simultânea”. Havendo tomado a exigente via aberta por Espinosa, estes ensaios dão testemunho de sua viabilidade, permitindo compreender que uma ciência do singular não há de realizar-se como mais um cânone abstrato, novo acervo de modelos universais, nem como híbrido paradoxal de determinações contraditórias, mas sim como pensamento singular porque potente para a unidade do diverso.

 

Galeria de fotos

 

Coquetel de lançamento

Veja também:
Leia mais

Estas páginas arregimentam cuidadores da vida humana que tomam posição em fronteiras de pensamento da psiquiatria, da terapia ocupacional, da psicanálise e dos estudos espinosanos.

Trabalhando para promover e compartilhar a saúde do corpo e a liberdade da alma, os autores produzem pesquisas ambientadas nas interfaces da epidemiologia, da filosofia, das artes e da crítica social.

Os textos demonstram e oferecem constantes reflexões sobre os fundamentos epistemológicos e históricos de disciplinas voltadas à compreensão e à superação de mal-estares e padecimentos individuais e coletivos.

Uma transdisciplinaridade autocrítica desenvolve-se assim nas abordagens que chegam às suas mãos, leitor – e é em seu diálogo interior, trabalho de leitura, que as propostas aqui consteladas lançam-se à sua sorte. Pertencerão à ordem do dia? Se os presentes estudos revelarem-se elementos práticos para enfrentar sofrimentos fundamentais, renascerão efetivamente como Clínicas de Hoje. Adquira o livro.

Ficha técnica

Editora: Via Lettera
Autor: David Calderoni (Org.)
Ano: 2006
Edição: 1ª
ISBN: 8576360314
Número de páginas: 176

Apresentação

Por David Calderoni

Este livro reúne trabalhos apresentados ou inspirados no evento Psicopatologia: Clínicas de Hoje, título e tema geral do Segundo Ciclo Anual de Conferências e Debates do Curso de Psicopatologia NAIPPE/USP, ocorrido em 12 e 13 de dezembro de 2003 no Anfiteatro do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O laço essencial que vincula o Curso de Psicopatologia NAIPPE/USP com as clínicas de hoje, tema do evento – e deste livro -, radica no que faz do Curso um projeto singular e complexo.

Trata-se da proposta de fundamentar e estabelecer um campo de diálogo entre a psicofarmacologia, a psiquiatria e a psicanálise sobre as formas de diagnóstico e tratamento do sofrimento psíquico, a partir da história da Psicopatologia e da sua contemporaneidade.

Além do pressuposto ético que consiste na disposição para modificar-se ã luz do outro, quais seriam as condições epistemológicas para um diálogo entre práticas e saberes tão diversos em suas linguagens, métodos e técnicas? E em que tal diálogo teria a ver com as clínicas de hoje?

Postulamos dois eixos para a articulação intercientífica das diversas vertentes da psicopatologia: a história e a clínica.

Permitindo repensar uma clivagem que nem sempre favorece os sujeitos que buscam ajuda profissional para estabelecer ou restabelecer o seu bem-estar físico/psíquico, o estudo da história da psicopatologia leva a reabitar, em estado nascente, lógicas e valores, cenários e personagens, atos e discursos em cujo contexto uma medicina do corpo separou-se de uma Medicina da alma.

Ora, na medida em que estabelecer ou restabelecer o bem-estar físico/psíquico de sujeitos sofrentes constitui a razão de ser da psicofarmacologia, da psiquiatria e da psicanálise, é justo pensar que essas vertentes da psicopatologia encontram um solo comum inconteste na clínica, isto é, nas práticas de tratamento.

Nas interfaces da epidemiologia, da filosofia, das artes, da crítica social e de uma plêiade de invenções instituintes, fronteiras de pensamento perpassadas de amor, sangue, suor e sonho chegam às suas mãos, leitor -e é em seu diálogo interior, trabalho de leitura, que as propostas e os estudos aqui reunidos lançam-se à sua sorte. Pertencerão à ordem do dia? Se os presentes escritos revelarem-se elementos práticos para enfrentar sofrimentos fundamentais, renascerão efetivamente como clínicas de hoje.

Orelhas

Por David Calderoni

Num feliz encontro de rigor e pluralidade, esta coletânea de idéias e ações amplamente úteis no campo das intervenções diagnosticas e terapêuticas se distingue pela coexistência do notável empenho na busca de fundamentos teórico-práticos de cada um dos ensaios que a compõem e pela abertura dialógica propiciada em suas abordagens singulares.

No primeiro artigo, procuro mostrar que a perspectiva científica de Aristóteles está entranhada na estrutura do procedimento diagnóstico contemporâneo. Em contraste a essa postura dominante, ressalto implicações metodológicas e ontológicas da adoção da perspectiva potentemente inovadora do conceito de singularidade de Espinosa.

E é Laurent Bove que apresenta, justamente através da teoria espinosana dos afetos e paixões, uma reflexão preciosa sobre as condições para que a atividade supere a passividade, propiciando o desenvolvimento de uma existência intelectual e ética estruturada na força do amor de si equilibrado.

A artista plástica Elisa Bracher transmite desde o seu ateliê-laboratório percursos sensíveis, firmes e eficazes rumo à arquitetura de um tempo-lugar de reconstrução para uma matéria humana mais-que-dolorosa.

André Malbergier, por sua vez, circunscreve a AIDS mediante dados epidemiológicos, psicopatológicos e neurológicos, permitindo a compreensão dos quadrantes psicossociais do uso de drogas injetáveis, das tentativas de suicídio e das reações do paciente quando comunicado da sorologia positiva para o HIV.

Num giro em direção à história da cultura, Noemi Moritz Kon enriquece as clínicas de hoje mostrando o quanto estão perpassadas – saibam ou não – pelo diálogo entre literatura e psicanálise. Como paradigma de equilíbrio entre a razão e o que a precede ou supera, a autora convida o clínico a sustentar-se como sujeito da incerteza em prol do alargamento do espaço de autonomia de quem o procura.

Renovando a tradição fenômeno-estrutural, Guilherme Messas imprime sua peculiar perspectiva psicopatológica pela consideração da estrutura temporal como determinante fundamental do diagnóstico e da psicofarmacoterapia num caso de constelação alcoólica.

Tratando de um dispositivo grupal em que a invenção e a intervenção coincidem na interrogação do que favorece o nascimento de uma forma, Paula Francisquetti nos apresenta sua experiência clínica e dramatúrgica com seus pacientes e parceiros de palco.

Nayra Ganhito narra a singular história institucional de um sujeito desprovido de passaporte afetivo de inclusão e a reengenharia clínica para a reversão desse quadro.

Instrumentada por Winnícott, Tânia Vaisberg propõe a travessia das agonias impensáveis e do sem-sentido do mundo, apresentando materialidades mediadoras que ampliam efetivamente os recursos de tratamento de pacientes em que grita mais a problemática não neurótica.

Tales Ab’Sáber propõe uma prática psicanalítica dialética em que, a contrapelo das pautas dominantes, poesia e pensamento, acolhidos desde o infantil, não se excluem nas relações sociais fundantes do humano.

Solange Tedesco e Flávia Liberman apresentam a terapia ocupacional como uma clínica do investimento do capital de mutualidade que torna as relações humanas relações e humanas, na medida mesma em que possibilitam a observação e a realização de múltiplas formas de engendramento entre o fazer e o conhecer.

Desejamos que a experiência de leitura constitua lances no interjogo das práticas clínicas tomadas como práticas da saúde, da liberdade e, vale dizer, da felicidade.

Veja também:
Leia mais

Núcleo de Apoio à Cultura e Extensão Universitária instituído pela Resolução USP 5817, de 17.12.2009 (D.O.E. 19.12.2009)

Núcleo de Psicopatologia, Políticas Públicas de Saúde Mental e Ações Comunicativas em Saúde Pública

Nupsi é um núcleo universitário para interação de invenções democráticas, concebidas como maneiras criativas e solidárias de desenvolver autonomia e cooperação.

David no Nupsi

– Invenções Democráticas
– Carta de Princípios
– Projeto Quilombo Livre

Veja também:
Leia mais

I Colóquio Internacional NUPSI / USP – VII Colóquio de Psicopatologia e Saúde Pública / USP : Invenções Democráticas em Interação.

– Data: 8, 9 e 10 de abril 2011
– Local: Auditório João Yunes e Auditório Paula Souza da Faculdade de Saúde Pública / USP
– Título da palestra: Invenções Democráticas em Ação
– Título da palestra: Roda de Conversa : Sustentabilidade do Matriciamento na Saúde Mental Pública

IV Colóquio de Psicopatologia e Saúde Pública – O Direito e a Psicopatologia para a Saúde Pública – Estratégias Participativas na Educação no Trabalho e na Justiça

– Data: 26, 27 e 28 de junho de 2009
– Local: Auditório João Yunes da Faculdade de Saúde Pública / USP
– Título da palestra: O Direito ao Encantamento

Primeiro Ciclo de Conferências de 2008. A Estratégia das Redes e dos Dialógos na Saúde Coletiva – Articulando Invenções Democráticas

– Data: 29 de novembro de 2008
– Local: Auditório João Yunes – Faculdade de Saúde Pública / USP
– Título da palestra: As Práticas Clínicas Democráticas como Modos de Cuidado Singular do Singular Voltados a Autonomia e Cooperação

Saúde Mental Coletiva CVR África do Sul

– Data: 20 de junho de 2007
– Local: Anfiteatro Paula Souza / Faculdade de Saúde Pública / USP
– Título da palestra: Justiça Restaurativa e Cultura de Paz

Ciclo Anual de Conferências e Debates Psicopatologia : Clínica e Política

– Data: 01 e 02 de dezembro de 2006
– Local: Auditório Paula Souza da Faculdade de Saúde Pública / USP
– Título da palestra: Abertura do Evento : Associações livres entre Psicopatologia e Saúde Mental Pública.
– Lançamento do Livro : Psicopatologia : Clínicas de Hoje ( textos do III Ciclo de Debates do Curso de Psicopatologia NAIPPE/USP de 2004 )

III Evento do Ciclo Saúde Mental Coletiva de 2006

– Data: 25 de agosto de 2006
– Local: Auditório Paula Souza da Faculdade de Saúde Pública / USP
– Título da palestra: A Psicopatologia e o Trabalho Multidisciplinar em Saúde Mental Pública

III Ciclo Anual de Conferências e Debates : Neurociências, Psicanálise e Psiquiatria: Inconsciente, Sonhos e Sexualidade.

– Data: 19 e 20 novembro de 2004
– Local: Anfiteatro do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina / USP
– Título da palestra: Abertura
– Título da palestra: Inconsciente

Abertura do II Ciclo Anual de Conferências e Debates do Curso de Especialização em Psicopatologia – Psicopatologia: Clínicas de Hoje

– Data: 12 e 13 de dezembro de 2003
– Local: Anfiteatro do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
– Título da palestra: Clínicas em diálogo

Evento de Lançamento do Curso de Psicopatologia

– Data: 27 e 28 de setembro de 2002
– Local: Anfiteatro do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina / USP
– Título da palestra: Abertura
– Título da palestra: Bases e Critérios para Diagnóstico e Terapêutica

Veja também:
Leia mais

Apresentação geral extraída do prefácio de David Calderoni para o livro inaugural da Coleção Invenções Democráticas, projeto da Autêntica Editora em parceria com o NUPSI: Espinosa e a Psicologia Social – ensaios de ontologia política e antropogênese, de Laurent Bove.

A história da Coleção Invenções Democráticas conheceu um lance decisivo em 25 de outubro de 2008. Nesse dia, culminando a extensa e intensa agenda de encontros, conferências e aulas do filósofo francês Laurent Bove em São Paulo, reuniram-se militantes da educação democrática (Lilian Kelian), da economia solidária (Paul Singer), da justiça restaurativa Maria Luci Buff Migliori), da filosofia espinosana (o próprio Laurent Bove) e do que viria a ser chamado de movimento da psicopatologia para a saúde pública (David Calderoni, Nelson da Silva Junior e Maria Lúcia Calderoni).

Num clima de grande amizade e de estimulante curiosidade, demos lugar ao desejo de dialogar sobre nossas afinidades e horizontes de cooperação. Logo no início da conversa – que teve por consequência a decisão de fundar o grupo Invenções Democráticas –, Paul Singer perguntou de que maneira a filosofia de Espinosa poderia efetivamente entrar em comunicação com as outras práticas ali presentes. Tendo a palavra sido passada a Laurent Bove, este expôs brevemente a posição espinosana em referência a uma declaração feita por Paul Singer num filme sobre a economia solidária1. Ali, Singer disse, com efeito, que o alimento da autogestão seria “a felicidade: as pessoas se sentem efetivamente muito mais felizes em não ter em quem mandar, nem quem mande nelas…”

Em sua interlocução, Bove tratou de afastar Espinosa da tradição que pensa a subjetividade isolada do mundo e como que fundada em si mesma:

Espinosa — ao pensar tanto o ser humano como a sociedade — pensa sempre em termos de corpo coletivo ou de multiplicidade. Ou seja, para ele, um corpo humano é desde logo um corpo comum no qual e pelo qual convergem e se reúnem múltiplas partes que agem juntas para formar um mesmo indivíduo (“se vários indivíduos concorrem para uma mesma ação de tal maneira que todos sejam a uma só vez causa de um mesmo efeito, eu considero a todos neste aspecto como uma mesma coisa singular”, escreve Espinosa na definição 7 da parte II de sua Ética). E esse corpo comum, que é uma “prática” comum múltipla e convergente, é por seu turno apreendido (e compreendido) num corpo sempre mais vasto (formando ele mesmo um “indivíduo de indivíduos” até chegar à Natureza inteira…).

Inserindo a psicologia individual na psicologia social, Laurent Bove apresentou então um postulado original:

Há uma palavra latina em Espinosa que é, acho eu, intraduzível: é o que Espinosa chama de hilaritas. Hilaritas: pode ser o contentamento [allégresse], pode ser a satisfação [gaieté], mas a tradução nunca é satisfatória. […] De fato, na Ética, Espinosa só fala de hilaritas no que concerne ao indivíduo humano, mas de minha parte eu penso que, de maneira totalmente “espinosista”, pode-se legitimamente transpor tal afeto ao plano do corpo coletivo… A hilaritas torna-se então o afeto democrático por excelência. […] A hilaritas é o sentimento (o afeto) que atravessa o tecido social justamente quando, por conta de sua boa auto-organização, este tecido social é afetado em cada um de seus elementos (ou de suas partes) “em igualdade” por um afeto de alegria. Isso significa que este tecido entrou num regime autônomo de sua potência de agir e de pensar, numa feliz produtividade de si mesmo.2

Desse modo, no diálogo entre a economia solidária e a filosofia espinosana, constitutivo do corpo comum do Grupo Invenções Democráticas, Bove enunciou duas das principais ideias presentes em seus escritos:

  • a fundação continuada da sociedade baseia-se num pressuposto democrático universal: o desejo de não ser dominado por um igual-semelhante;
  • convergindo também com a felicidade autogestionária postulada por Singer, encontra-se teorizado no nível ético individual por Espinosa um afeto que Bove transpõe ao plano coletivo democrático – a Hilaritas –, caracterizada como uma alegria equilibrada que atravessa constitutivamente o tecido social quando este opera em regime de auto-organização igualitária.

A meu ver, tal encontro de ideias permite num só lance fundamentar e exprimir a aposta viva e ativa do Grupo e da Coleção Invenções Democráticas: posto que toda existência social, qualquer que seja o regime político predominante, se alicerça num desejo e num afeto democráticos, sempre haverá base ontológica para inventar, promover e entrelaçar ações que permitam desenvolver democracia.

Qualifiquei como viva e ativa a aposta que embasa nossas Invenções Democráticas porque, no que tange às práticas que se agruparam sob este nome, penso que o movimento que compartem entre si e com o espírito da coleção homônima ora inaugurada caracteriza-se fortemente por uma firme contraposição a toda crença, voluntária ou involuntariamente niilista, que recomende a suspensão da práxis, isto é, dos pensamentos e das ações concretas visando à edificação de sociedades mais justas e equânimes.

Invenções Democráticas: o engajamento em maneiras criativas e solidárias de desenvolver autonomia e cooperação, onde a construção coletiva da liberdade acompanha a contraposição conjunta à lógica e aos efeitos da dominação — eis a posição ético-política que, a meu ver, nos reúne e com relação à qual as seguintes palavras de Bove demonstram sua enriquecedora convergência:

Compreendemos que, se o niilismo está na destruição do “comum a todos os homens” que, verdadeiramente, constitui a matriz da democracia, somente uma nova figura libertária da resistência, liberada da vontade assassina de dominação racional e cujo projeto seja o de “afirmar o homem em sua carne e em seu esforço de liberdade”, poderá tecer estes vínculos sociais de solidariedade constitutivos de uma vida comum autenticamente humana.


Paul Singer, Inventor Democrático

David nas Invenções Democráticas

Carta de principios do Nupsi
Psicopatologia para a Saúde Pública
“Laurent Bove e as Invenções Democráticas”, capitulo do livro “Invenções Democráticas: A dimensão social da saúde”, organizado por Marcelo Gomes Justo.

Referências

1 Intervista Paul Singer [Entrevista com Paul Singer] in www.youtube.com/watch?v=FbSMSeosqaI.

2 No estabelecimento textual das falas deste encontro, eu e Bove colaboramos com Lívia Godinho e Mauricio Ayer que, ao lado de Moara Passoni, também integram o Grupo Invenções Democráticas.

Veja também:
Leia mais

A história da Coleção Invenções Democráticas conheceu um lance decisivo em 25 de outubro de 2008. Nesse dia, culminando a extensa e intensa agenda de encontros, conferências e aulas do filósofo francês Laurent Bove em São Paulo, reuniram-se militantes da educação democrática (Lilian Kelian), da economia solidária (Paul Singer), da justiça restaurativa (Maria Luci Buff Migliori), da filosofia espinosana (o próprio Laurent Bove) e do que viria a ser chamado de movimento da psicopatologia para a saúde pública (David Calderoni, Nelson da Silva Junior e Maria Lúcia Calderoni).

Estes são os livros que compõem a Coleção Invenções Democráticas, publicada pela Editora Autêntica.

Invenções Democráticas – A Dimensão Social da Saúde

Este livro, composto por textos de vários autores, como Marilena Chauí, David Calderoni, Paul Singer, entre outros, e organizado por Marcelo Gomes Justo, propõe maneiras criativas e solidárias de desenvolver autonomia e cooperação na área psicossocial da saúde.

Desdobrados na presente publicação, eis alguns dos expressivos alicerces conceituais do NUPSI-USP, sede acadêmica interdisciplinar de invenções democráticas voltadas à extensão universitária na perspectiva da cultura da paz, apostando em fundamentos positivos da saúde ancorados no desejo de vida plena quanto aos modos de autoconhecimento psicossocial, de autoformação educacional, de autogestão econômica e de reparação jurídica comunitária. Adquira o livro.

Ficha técnica

– Editora: Autêntica
– Autor: Marcelo Gomes Justo (Org.)
– Ano: 2010
– Edição: 1ª

Espinosa e Psicologia Social – Ensaios de Ontologia Política e Antropogênese

Esse livro é o resultado de um seminário e de uma série de conferências sobre a filosofia de Espinosa, proferidas no Brasil em outubro de 2008, às quais foram acrescentados dois estudos de psicologia social e uma reflexão sobre a análise da História em Camus. A unidade do conjunto desses textos está na abordagem espinosana da questão da diferença antropológica e, mais particularmente, da articulação entre uma ontologia política e o pensamento da antropogênese.

A primeira parte da obra explora a teoria espinosana dos afetos e da singularidade, assim como a significação e o estatuto do conceito de conatus que está no princípio desta singularidade. O “esforço que cada ser faz para perseverar em seu ser” é inicialmente tido por um “desejo sem objeto” do qual a potência constituinte é aqui comparada à concepção freudiana do afeto. Em seguida, este desejo sem objeto, como potência de afirmação e de resistência, reaparece na análise psicológica do social e da concepção camusiana do tempo, confrontada ao problema no niilismo. O leitor segue, nesse livro, um fio que os estudos espinosanos jamais tinham seguido até então.

A partir de conceitos-chaves de “estratégia do conatus” – em que “estratégia” tem um sentido não teleológico – e de “resistência ativa” (conceitos que foram elaborados em seus trabalhos anteriores), Laurent Bove mostra o quanto a filosofia de Espinosa esclarece o processo de antropogênese assim como seus impasses históricos (na “automação” e na “animalização”). E também o quanto o espinosismo oferece, hoje, uma alternativa ético-política original e emancipadora, a partir da qual somos convidados a repensar profundamente o que quer dizer moral, política, democracia, igualdade, liberdade, mas também a humanidade do homem. Adquira o livro.

Ficha técnica

– Editora: Autêntica
– Autor: Laurent Bove
– Ano: 2010
– Edição: 1ª

 

A invenção democrática – Os limites da dominação totalitária

“O Estado de direito sempre implicou a possibilidade de uma oposição ao poder, fundada sobre o direito – oposição ilustrada pelas admoestações ao rei ou pela recusa em submeter-se ao imposto em circunstâncias injustificáveis, até mesmo pelo recurso à insurreição contra um governo ilegítimo. Mas o Estado democrático excede os limites tradicionalmente atribuídos ao Estado de direito. Experimenta direitos que ainda não lhe estão incorporados, é o teatro de uma contestação cujo objeto não se reduz à conservação de um pacto tacitamente estabelecido, mas que se forma a partir de focos que o poder não pode dominar inteiramente. Da legitimação da greve ou dos sindicatos ao direito relativo ao trabalho ou à segurança social, desenvolveu-se assim sobre a base dos direitos do homem toda uma história que transgredia as fronteiras nas quais o Estado pretendia se definir, uma história que continua aberta.” Adquira o livro.

Ficha técnica

– Editora: Autêntica
– Autor: Claude Lefort
– Ano: 2011
– Edição: 3ª
– Tradução: Isabel Loureiro e Maria Leonor F. R. Loureiro

Especialistas falam sobre livro ‘A Invenção Democrática’

Marilena Chauí, André Rocha e David Calderoni falam sobre o livro “A Invenção Democrática – Os limites da dominação totalitária”, que contribui para o pensamento e a prática da democracia no Brasil.

 

Vídeo de lançamento

Veja também:
Leia mais

Sou o caçula de três filhos de uma família judáica, com pai grego sefardim combatente da Segunda Guerra e mãe lituana ashkenazim imigrada nos primeiros tempos da Revolução Russa : “filho de safadinho com esquisitinha”, no traduzir brincalhão do sábio e saudoso Isaias Mehlson.

Insuspeitada à primeira vista, na anedota de Isaias reconheço uma profundidade que leva à estrutura dinâmica do meu capital simbólico originário.

A diversidade de origens de meus pais fez com que crescessem ambientados em diferentes dialetos judaicos, sendo o dela o idish (derivado de um alemão arcaico simplificado) e o dele o ladino (derivado do antigo espanhol e, em menor proporção, do que viria a ser o português).

Diferiam também em outros idiomas formantes: enquanto minha mãe fora familiarizada com o russo, o polonês (vindo da babá) e o alemão, meu pai falava o grego, o turco (vindo da babá) e algumas línguas eslavas (mas do russo sabia escassos jargões), às quais se justapuseram no campo de concentração o italiano e o francês.

 

Em Barão Hirsh, colônia agrícola do interior do Rio Grande do Sul onde foram acolhidos no primeiro quartel do século XX os imigrantes judeus provenientes da diáspora russa, minha mãe chegou a ser professora de hebraico, do qual o meu pai, em contraste, conhecia basicamente o suficiente para as rezas.

Em meio a esse desencontrado poliglotismo, as paredes da casa filtravam, não raro, as vozes de meus pais cantarolando melodias muito peculiares e muito díspares, mesmo quando havia alguma letra extravasada num português sempre muito modalizado (lembro da alegria absorta de meu pai entoando um refrão de Roberto Carlos: iô ti aaamu, iô ti aaamu, iô ti aaamu…).

Em 1997, enquanto minha mãe preparava o almoço de domingo, levei meu pai e meus irmãos José e Sabetai ao estúdio onde gravava o meu CD Viação, registrando com suas cantorias e conversas a miscelânea linguística e musical em que cresci.

Tal registro se encontra em A Marcha de Moisés , canção inspirada na vida de meu pai composta em parceria com Sabetai, meu irmão primogênito (termo que no ladino corresponde a El Bechor, conotando na cultura judaica uma forma dignitária de tratamento. Anos depois, ao escutar passos que indicavam a sua visita, meu pai exclamaria de modo comovido à minha mãe, sem que minha presença em nada o constrangesse: – Querida, chegou o nosso filho principal!).

Os campos de autoridade e as funções familiares da mulher e do homem tampouco se harmonizavam nos costumes a que meus pais foram habituados, meu pai esperando submissão em campos onde minha mãe reivindicava majestade. Não só dentro de casa, onde as disputas recaiam sobre a educação dos filhos: na pequena loja comercial que foram construindo com enorme esforço, era em princípio inadmissível aos olhos de meu pai que sua esposa encabeçasse negociações com fornecedores, mesmo quando envolvessem conhecimentos da moda feminina. Donde os numerosos conflitos e a necessidade de buscar consensos, estabelecendo margens de tolerância e concessão no processo de criar novas convenções para viabilizar o progresso da vida em comum. A constante observação e participação em processos mediacionais significaram para os filhos experiências micropolíticas sumamente instrutivas, onde alargar o campo do diálogo, propor pactos inventivos, refazer as pazes e encontrar a paz era muito precioso e dava muito trabalho.

A multissecular diáspora que tende a semear nos judeus uma unicidade paradoxalmente plural e estrangeira, tornada particularmente complexa em minha noticiada natividade intercultural, eu a reconheço em meus modos e motivos de produção simbólica. Com efeito, penso que um imperativo de elaborar as tensões internas dessa heterogeneidade originária sem uniformizar os ricos contrastes de suas vertentes constitutivas fez-se presente em minhas atividades instituintes. Donde, nos quadros do meu site, eu julgar pertinente a evocação desse percurso reflexivo, pois, enquanto num currículo se trata de arrolar atos (no sentido de ações consumadas), encaro o memorial como ocasião de retomar e explicitar as experiências formadoras da singularidade biográfica e autoral que os engendrou.

Nasci em 7 de fevereiro de 1958 na Maternidade de São Paulo, cidade em que cursei o pré-primário no Atheneu Lacerda Ortiz (1962-64), situado no bairro de Indianópolis, onde habitei a maior parte da minha vida.

A primeira infância foi comunitária, minha rua era nossa, os dias eram jogos, brincadeiras, festas. E quando ocorreu o grave crime do afanamento de craques de botão, lembro que as responsabilidades e reparações foram estabelecidas por um tribunal infanto-juvenil conduzido com enorme seriedade. Foi no sobrado da Rua Jamaris que televimos os festivais da Record em grande família e com torcidas várias.

A primeira perda significativa que recordo ocorreu aos sete anos, quando me mudei da Jamaris para a Avenida Ibirapuera, onde a rua de terra era deserta, os trilhos dos bondes eram amurados por pedregulhos, não havia vizinhança amiga e os campeonatos de botão ficaram restritos aos irmãos.

Aferrei-me às lições de casa, formando-me em primeiro lugar no curso primário freqüentado entre 1965 e 1968 no Instituto de Ensino Tabajara “que entra burro e sai arara”, segundo a gurizada que caçoava do Seu Pascoal, o diretor-proprietário, sempre orgulhoso por sua escola. Eu não participava dessas coisas; a rebeldia contra a autoridade me encontraria no desencontro inicial com a música.

Por essa época, diante das obras que erguiam o Shopping Ibirapuera, fui encaminhado a uma curta temporada de aulas burocráticas de piano com Dona Laura. A breve experiência teve efeito prolongado. Apenas como autodidata retomaria a música com o dobro da idade, aos 14 anos; adolescendo sozinho em meu quarto por horas a fio com o violão, inventava cadências de intrincados acordes que não tinha suficiência técnica para executar. À medida que as horas iam se tornando meses e anos, os dedilhados tateantes viravam composições emersas de uma poética constante, que procurava acentuar o discurso harmônico como modulador afetivo da relação entre letra e melodia – o que vem se dando até hoje.

Pouco antes, aos 13 anos, numa espécie de festival de versos com os manos Sabetai e José, escrevi a primeira safra de poemas, da qual re-colho um, intitulado Marginalização congrapraçada: A massa gargalhou na praça / fazendo que a graça vencesse a desgraça. // E o praça que a graça não tinha / mas que estava na praça / fez da desgraça / uma coisa vizinha: / não estava presente, / muito menos ausente;/ estava, sim, latente n’alma sofrida / que a vida e o nada a ela tudo confundem.

A angústia figurada no poema é contemporânea da minha primeira experiência de psicoterapia, onde recebi os bons tratos de uma pessoa finíssima, a quem reencontraria como mãe de Carla, querida amiga de curso colegial, e como professora na graduação em psicologia na USP. Nas páginas preliminares de O Caso Hermes, a ela destinei a seguinte dedicatória: Como eu dançasse com a sombra uma ciranda, volta e meia transpuseste muralhas para trocarmos as palavras pelos olhos. A carne do mundo entretém tua figura erguida. E digo teu nome por inteiro para inscrever este trabalho em tua memória RACHEL LÉA ROSENBERG.

Aos 14, defendi a canção Medalha num festival de música, experimentando uma situação paradoxal quando, nas finais de um certame em que se competia por prêmios, o público entoou em coro comigo o refrão Medalhas não quero / São mero cachê / Das minhas batalhas / Eu sei o porquê .

Entre 15 e 16 anos, enveredei com crescente prazer pela leitura de uma série de ensaios e conferências do filósofo Martin Heidegger editados pela Livraria Duas Cidades: Sobre a Essência do Fundamento; A Determinação do Ser do Ente segundo Leibniz; Hegel e os Gregos; Que é metafísica?; Que é Isto – A Filosofia?; Identidade e Diferença; Sobre a Essência da Verdade – A Tese de Kant Sobre o Ser. Entregando-me ao sabor do jogo de idéias e imagens, percebi que o pensamento filosófico e o pensamento poético mudam de caráter conforme possam ou não andar juntos. Testemunhando na lonjura do eco a força da primeira leitura, utilizaria a relação entre verdade e beleza tematizada por Heidegger no ensaio Hegel e os Gregos como crivo interpretativo do meu trabalho Édipo e Transferência a partir de Dora: um percurso em Freud (publicado em 1992, aos 34 anos). Diria que na relação entre ética e estética se encontra o motivo operante predileto na eleição dos temas da minha produção científica e artística.

De 1973 a 1975, fiz o Curso Colegial no Colégio Equipe, entremeado por uma estadia semestral na cidade de Bellevue, situada no Estado norte-americano de Washington, onde realizei estudos e obtive diplomação na Interlake High School (no final do primeiro semestre de 1975).

Lá, empreendi leituras marcantes (independentes da High School, cuja biblioteca, é preciso dizer, me emprestou os livros) de One Dimensional Man e Reason and Revolution, de Herbert Marcuse, concomitantes ao fim da guerra do Vietnã.

Operando o meu primeiro contato com o ideário da crítica da razão instrumental da Escola de Frankfurt, integrada por Marcuse, essas leituras foram realizadas a contrapelo das pressões de minha “família americana” (viajei por meio de um programa de intercâmbio), a qual me criticava por me considerar “socialistically inclined”.

O mais impressionante da minha experiência americana foi, em correlação ao que dizia Marcuse sobre a sociedade totalmente administrada, acompanhar minha família repetindo as manchetes do Seattle Times, malgrado as guinadas inconsistentes: uma semana antes da desistência da guerra do Vietnã, o jornal insistia em algo como “a América não abandonará o Sudeste Asiático ao comunismo”. Pouco depois, em 30 de abril de 1975, quando foi decretado o fim da guerra (para os Americanos), a primeira página do Seattle Times estampava (disso me lembro com precisão): “AN ERA OF INNOCENCE ENDS FOR AMERICA” – e a família, de gente sadia, sem nenhum problema mental aparente, mudou o discurso da água para o vinho e fez coro à referida manchete e à matéria conexa, repetindo formulações tais como “não deveríamos querer cuidar do bem do mundo todo”, “vamos nos concentrar nos nossos problemas internos” etc etc. Comprovei pela primeira vez a possibilidade da existência de uma gigantesca máquina de propaganda ideológica situada entre o Estado e a sociedade e a sua inacreditável eficácia numa massiva marionetização mental. Isso diferia muito do papel da Rede Globo no Brasil dos anos de chumbo e além? A meu ver, a adesão aqui não veio a ser tão mecânica, nem a paralisação da inteligência tão integral; porém, isso pode ser ilusão de quem não tem a distância crítica possibilitada pela perspectiva do estrangeiro.

Nos Estados Unidos, fiz amizade com alguns párias, dentre os quais o filho de um presidiário e um professor de português, militante de partido trotskista e do movimento gay. Por viajar com ele, meu coetâneo irmão americano insinuou que eu era homossexual… – o que, naquele contexto, tinha o peso de um anátema. Fora Nova York, Boston e alguns outros rincões cosmopolitas, o que é a democracia na sociedade americana? A questão permanece aberta para mim.

Voltando, o Equipe foi fundamental para a minha poesia. Tive oportunidade de desenvolvê-la nas aulas de redação do caríssimo professor Gilson Rampazzo que, com toda a paciência do mundo, me acolhia tardes seguidas para discutir os critérios de nota (graduados em conceitos de A a E) em sua sala, situada num elevado ex-claustro de freiras. Gilson me ensinou muitos parâmetros críticos e me chamou para ler vários de meus poemas em voz alta para a classe, assim como chamava outros colegas, propiciando o entreconhecimento de variados e singularmente excelentes modos de versejar, expostos a seguir para todas as turmas no A+, prestigiado e prestigioso jornalzinho de poesia que nós mesmos rodávamos no mimeógrafo. E assim, com poesia, resistíamos à miséria da cultura escolar predominante (e à miséria da cultura global), encetada pela ditadura.

O descalabro da escola pública, sobretudo depois do AI-5 baixado em 68, eu bem a provei durante o ginásio no Instituto de Educação Estadual Professor Alberto Levy (1969-72), do qual estava me esquecendo, talvez porque me custa rever sobre o canto orfeônico a sombra de bandeiras hasteadas militarmente. Tino, Joel, Marco Antonio, desconheço o paradeiro desses amigos da classe não-mista, não sinta, não vista, não minta, não inventa, imperativos esgarçados num tempo em que a lição tornou-se dever de casa, a que não desejo voltar. No mesmo espaço, outra foi a experiência do meu irmão mais velho, que uma vez me acudiu, escrevendo uma justificativa ao diretor, que havia me advertido por eu ter ido às aulas sem estar “convenientemente calçado”. Nascido oito anos e tanto antes de mim, enquanto eu concluía o Primário, Sabetai passava do Ginasial ao Clássico de então, esbanjando seu gosto por estudar matérias realmente importantes no Levy – latim, por exemplo, por cujo domínio tornou-se exímio identificador de funções sintáticas, e ainda por cima teve como professora de filosofia uma bela e jovem senhora de vinte e poucos anos, chamada Marilena Chaui.

Já no Colegial do Equipe (1973-75) vim a conhecer André Singer, amigo desta época, que felizmente havia voltado do Chile antes do golpe de Pinochet. Além de Cortázar, de política e de história (especialmente da Revolução Russa), André me falou muito – e muito bem – de Araçá Azul, de Caetano Veloso, reputado como um dos discos brasileiros com maior índice de devolução. Devo, portanto, à fineza e independência do julgamento estético de André a apresentação de Caetano, que quase trinta anos depois me telefonaria e se encontraria comigo em função de um longo ensaio (O Silêncio à luz de Caetano) que escrevi sobre a sua vida e obra. André me diria décadas depois que fui eu que lhe apresentei Carlos Drummond de Andrade. Eu só me lembro que, além de grandes autores, comentávamos com freqüência os poemas um do outro. É preciso também dizer que foi André quem me introduziu a Wilhelm Reich e a seu livro A Revolução Sexual, que revelarei adiante o quão decisivo foi para meus caminhos.

Quando eu voltei dos Estados Unidos, André me convidou a participar como ator e autor da trilha sonora do seu curta-metragem O Último Roque no Equipe (1975). A canção Último Roque, que compus para o filme, também se encontra no meu CD Viação, em que se ouvem nos backing vocals as vozes de Mario Fuks e Cleusa Pavan, colegas do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae.

Foi freqüentando o apartamento de André que um dia vi um senhor muito simpático adentrar o recinto em que conversávamos para pegar uma caneta tinteiro, com a qual manuscreveu uma dedicatória, depois impressa num de seus muitos livros: “Para Vinícius e os demais, que compartilharam comigo as agruras de ser suspeito.” Nas páginas preliminares do Curso de Introdução à Economia Política, Paul Singer assim se referia aos sofrimentos infligidos pela polícia política da ditadura, comungados com Vinícius Caldeira Brandt e outros companheiros nos meados dos anos 70. Mas o conhecimento das idéias desse livro comparativo e crítico ainda estava por vir.

Dentre as vivências de educação democrática no Equipe, evoco um debate com o caro e excelente professor Antonio Pedro (Tota), que ensinava História. Apoiando-se em Marx, Tota ensinava que a infra-estrutura econômica determina a super-estrutura ideológica e política. Eu, questionando o determinismo econômico estrito, lembrava do argumento de Reich (exposto em sua obra A Revolução Sexual, também apoiada em Marx), acerca da “retroação da ideologia sobre a base”.

Na passagem entre 1975 e 76, o livro de Reich foi decisivo para que eu fosse prestar o exame vestibular de Psicologia e não o de Física, estando inscrito em ambos (tirava 5 em Física quando a prova envolvia cálculo e 10 quando não envolvia). Pendendo para a encruzilhada das minhas preocupações políticas, pensei também em cursar Ciências Sociais, mas A Revolução Sexual me conquistou para a Psicologia: arrebatou-me nesse livro a forma pela qual Reich foi rastreando o processo de estalinização da revolução soviética mediante o acompanhamento do processo de reintrodução, na sociedade, da moral sexual repressiva e do ideal normativo do casamento monogâmico indissolúvel. Tal chave interpretativa conferia para mim uma enorme concretude teórica à análise dos movimentos ideológicos, baixando-a ao solo mesmo da vida amorosa e mostrando quão efetiva e libertária poderia ser uma psicanálise do coletivo.

Assistindo em Brasília uma exposição de Paul Singer na 28a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, tal perspectiva de uma psicanálise do coletivo encontrou um elemento teórico que em longo prazo se revelou de um extraordinário valor auto-analítico, heurístico e prático. Desenvolvida por Paul Singer a partir de Rosa Luxemburg, e desdobrando-se em sua obra até desenvolvimentos realizados em Uma utopia militante. Repensando o socialismo (publicação de 1998), trata-se da idéia de que a formação social capitalista comporta diversos modos de produção (o m. p. cooperativo, o m. p. simples de mercadorias, o m. p. familiar, o m. p. público, o m. p. capitalista…), sendo que este último dá nome à formação social não por ser o único modo de produção, mas sim o predominante – sem que isto torne para este os outros modos de produção dispensáveis (ao contrário, sem o m. p. familiar, p. ex., o m. p. capitalista não teria como reproduzir a força de trabalho e o exército industrial de reserva, assim como sem o m. p. público não teria como garantir os serviços de manutenção biológica dos trabalhadores, e assim por diante). Fenômenos migratórios, como o da retirada da seca, podem ter sua dinâmica sócio-econômica compreendida e interferida através da idéia do deslocamento populacional de um a outro modo de produção.

Sobre o alcance auto-analítico do paradigma de Singer, posso dizer que a um só tempo ilumina e fornece parâmetro equilibrante das tensões entre o caráter aberto do comércio mediterrâneo e o caráter estamental de feudo fechado, próprio dos fazendeiros lituanos, correspondentes respectivamente às linhagens paterna e materna da minha ancestralidade.

O alcance heurístico do paradigma de Singer levou à desmontagem dos maniqueismos totalitários e evolucionistas que erigem o socialismo como um bem absoluto posterior ao capitalismo, quando na verdade o socialismo, sob a forma econômica do modo de produção cooperativo (inviabilizado nos planos qüinqüenais centralizados que se impunham à sociedade desde o alto do capitalismo de Estado soviético), conquanto não-hegemônico, já está presente aqui e agora, convivendo, intercambiando e competindo com o modo de produção capitalista.

O alcance prático do paradigma de Singer, mediante a valorização do terceiro eixo do trinômio ensino-pesquisa-extensão, alicerçou-se na idéia de constituir cooperativamente a produção científica com as próprias comunidades que assim, articulando-se com a universidade e sem perder a diversidade, realizam-se, uma com a outra, como ensinantes e aprendizes.

O arcabouço do meu pensar-agir atual metabolizou como contribuição infra-estrutural, em convergência aos enriquecedores influxos do paradigma de Singer, a seguinte passagem do filósofo espinosano francês Laurent Bove:

… quando o Corpo humano, como ocorre na Hilaridade, é afetado por causas exteriores, mas igualmente em todas as suas numerosas partes, isso significa também que ele se afeta a si mesmo porque é também afetado por algo que é comum a todas as suas partes e/ou algo que é também comum a todos os outros corpos. Sua passividade extrínseca é, portanto, imediatamente correlativa a uma atividade real que, em última instância, é a da razão.

Em Espinosa, uma causa é dita interna com relação a efeitos que podem ser inteiramente explicados apenas pela natureza dessa causa. Na passagem em exame, uma causa interna é produzida a partir de uma afecção isônoma, isto é, de uma modificação que seja a mesma tanto no que concerne à relação entre as partes do corpo humano, quanto no que concerne à relação que essas mesmas partes mantêm com a totalidade do corpo. Considero que este achado de Bove é preciosíssimo para uma filosofia da liberdade, na medida em que, abrangendo a passagem da passividade extrínseca do corpo e da mente do indivíduo humano à atividade

interna do corpo e da mente comum, se fundamenta: 1) na ocorrência real de uma transformação que efetua uma relação proporcional (ou racional) entre partes e destas com o todo; 2) em que esta transformação produz, ao mesmo tempo, um modo de existência racional-real destas partes e deste todo; 3) em que este processo engendra um regime de autonomia quanto ao agir, ao sentir, ao imaginar e ao pensar.

Iluminando-se assim as condições imanentes da passagem do ser afetado ao afetar-se, surge a idéia de que a constituição de um corpo comum é um fenômeno afetivo que funda um campo transindividual de autoreflexão.

Enquanto afetivo, este fenômeno abre para o campo do inconsciente; porque inaugural de uma comum-unidade, este fenômeno abre para a origem e fundamento da sociedade e da política; porque anterior à interpretação e contemporâneo à urdidura de semelhanças e identificações, este fenômeno abre para o primado da interação afetiva na constituição do campo clínico; porque posição de um novo ser irredutível aos indivíduos dele componentes, este fenômeno abre para um pensamento neo-ontológico e para uma prática ontogenética, sendo que a idéia-guia daí resultante pode ser sintetizada no lema de que as condições de interação afetiva determinam o grau de autonomia das comunidades constituídas por essa mesma interação afetiva.

Esse campo transindividual de autoreflexão corresponde ao que, no Caso Hermes, eu designei como engenho instituinte, delineando-o como o objeto próprio de uma psicologia política.

 


 

1 Sefardim ou sefardita: Designação dos judeus descendentes dos primeiros israelitas de Portugal e Espanha (expulsos respectivamente em 1496 e 1492). Designação usual e genérica dos judeus originários de áreas mediterrâneas, isto é, da Grécia, do Norte da África, da península Ibérica. (Diferenciam-se dos ashkenazim, da Europa central e oriental.) Cf. www.dicio.com.br/sefardim

2 Cf. www.riogrande.com.br/historia/colonizacao7.htm .

1 Antes da Segunda Guerra, eram 77.178 os judeus na Grécia; depois, 4.930. Dos cerca de 56 mil judeus-espanhóis que em 1941 viviam em Salônica, cerca de 54 mil sucumbiram à barbárie nazista. Pereceram em campos de extermínio do III Reich duas tias paternas e oito primas-irmãs de David Calderoni.

Moysis Calderon, seu pai, nasceu na Grécia em 1917, durante a Primeira Guerra, em lombo de burro, quando a família buscava abrigo nas montanhas. Defendendo a Grécia na Segunda Guerra, Moysis foi capturado pelas forças italianas. Graças aos conhecimentos de judeu-espanhol, foi intérprete dos prisioneiros gregos, desarmados frente a uma língua latina. Após a Segunda Guerra, teve na Itália o nome modificado para Mosez Calderoni, aportando no Brasil em 1947.” [Texto extraído junto à letra da canção A Marcha de Moisés, de autoria de Sabetai e David Calderoni, integrante do encarte do CD Viação (1998), primeiro disco do autor deste livro.]

2 Essa cena foi assim recordada por meu irmão José: “O Tribunal por mim instituído, quando tinha 11/12 anos, pra recuperar as capinhas de relógio que compunham os jogos de botão de futebol de mesa, era muito bem constituído. Advogado de defesa, advogado de acusação, juiz, júri popular, e plateia ( dentre eles, você ). Eu fui a vítima e juiz também!! A pena foi extremamente rigorosa: DEVOLUÇÃO DAS CAPINHAS DE RELÓGIO!!! Manutenção da amizade com o amigo meliante com promessa de boa conduta futura do réu !!! Eu cedia, meus botões para que ele treinasse em nossa casa !!! E ele não satisfeito com a generosidade, levava o que eu emprestava, tirava as fotos que eu colava nas capinhas de relógio, e as pintava com esmalte para parecerem outras !!! Como viu a punição foi exemplar !!!

3 Cf. canções em www.davidcalderoni.art.br .

4 Bove, Laurent. “Hilaritas et acquiescentia in se ipso [Hilaridade e contentamento íntimo]” in Calderoni, David (org.). Psicopatologia: Clínicas de Hoje. São Paulo,Via Lettera, 2006, p. 50. Sublinhei.

 

Veja também:
Leia mais